Total de visualizações de página

domingo, 15 de outubro de 2017

RASGANDO O VÉU



da série: LIVROS!

Em seu primeiro trabalho, Cristina Carone assume a voz da mulher sensível que não mede esforços para expor seus sentimentos. Os poemas foram escritos de forma sincera, com amor e paixão. RASGANDO O VÉU (Edição do Autor, 2007) é um livro de pura “sensualidade” para quem ama a poesia romântica. Também sugere ao leitor refletir sobre a profundidade da poesia, da sua beleza e do quanto ela toca o coração. Em pleno Século XXI, ela ainda continua viva vencendo as barreiras do tempo, lutando, se impondo e trazendo esperança àqueles que jogaram os sentimentos ao chão, para viverem o materialismo, permitindo às máquinas esmagarem o ser humano, e o mais lindo sentimento do mundo: O AMOR.

 

sábado, 7 de outubro de 2017

Absurdus


MR
Absurdus:
Murilo Rubião
100 anos
x-x-x-x

Exposição do escritor mineiro que consolidou a literatura fantástica no Brasil.
Uma bela exposição daquele que fundou o Suplemento Literário de Minas Gerais no ano de 1966.

Um autor em tempos áureos. Numa época que os textos datilografados na máquina de escrever e corrigidos, revisados, com caneta, lápis, ali mesmo na folha em branco do papel.

Cartas de inúmeras(os) escritoras(es) como Nélida Pinon, Clarice Lispector, Guimarães Rosa, João Cabral de Melo Neto, Carlos Drummond de Andrade, Pedro Nava entre outros.

E num curioso relato de Clarice Lispector em carta a Murilo Rubião: o ato de escrever crônicas para o Jornal do Brasil lhe tirava a liberdade.

Local da exposição: Biblioteca Pública de Belo Horizonte




domingo, 1 de outubro de 2017

Lya Luft no IDEA



Lya Luft no IDEA
Projeto “Chá com Letras”

No evento da noite foi exibido um vídeo com a entrevista que a escritora gaúcha Lya Luft cedeu à professora Ana Carolina quando da preparação de sua tese de mestrado. E a entrevista nos mostra uma escritora muito reservada e de atitudes seguras.

Lya Luft possui uma vasta obra publicada e seu livro mais conhecido é PERDAS E GANHOS (de 2003). E eu só li dois livros da autora: AS PARCEIRAS (de 1980) e O QUARTO FECHADO (de 1984).

E depois de terminada a palestra teve um coquetel... um “chá com letras” literalmente...


quarta-feira, 27 de setembro de 2017

Cinco anos!




Nossa EBA (Escola Bike Anjo) fez aniversário hoje. Foram cinco anos de pura alegria. Não imaginava que estaríamos a tanto tempo na estrada. A cada ano, mais pessoas aprendem a pedalar e a tornar este mundo melhor.

Obrigado a todas(os) que estiveram nesta linda festa!


E até o próximo aniversário!

domingo, 27 de agosto de 2017

C.Í.T.R.I.C.A.S


O projeto C.Í.T.R.I.C.A.S apresenta trabalhos da Bruna Caldeira e de seus colegas de classe da Escola Guignard. Os jovens artistas deixam suas marcas na galeria da Espaço Cultural MGTI, na Avenida Afonso Pena, 4.000, 3º andar. Inspirados única e exclusivamente no fruto (a mexerica) os artistas deram vazão às ideias.

E de posse de seus pincéis e lápis coloriram as paredes...

A exposição fica até o dia 24 de setembro de 2017.

Não perca!





terça-feira, 18 de julho de 2017

A GAROTA DINAMARQUESA



A Sociedade Brasileira de Psicanálise de Minas Gerais – SBPMG exibiu o filme A GAROTA DINAMARQUESA do diretor Tom Hooper tendo os atores Eddie Redmayne e Alicia Vikander nos papéis principais. Após a exibição, a película foi debatida pelo Dr. Fernando, médico e professor da UFOP e Drª Maria Bernadete, psicanalista.

Baseado em um fato real, A GAROTA DINAMARQUESA conta a história do casal Einar e Gerda Wegener, ambos dinamarqueses e artistas plásticos. Einar ficou conhecido por ser o primeiro homem a se submeter a uma cirurgia de mudança de sexo.  Gerda, sua companheira fiel, acompanhou a transição do marido até ele deixar sepultar seu lado “homem”.

O filme mostra o nítido sofrimento da personagem que se enxerga não mais como a um homem e sim como uma mulher. Mas como Einar viveu num período de trevas (anos 1920 e 1930) tanto como no campo médico como no social, as dificuldades foram extremas. Numa época onde os médicos eram incapazes de compreender o sofrimento destas pessoas que são os transgêneros: aqueles(as) que “identificam com um gênero diferente daquele que corresponde ao seu sexo atribuído no momento do nascimento”.


O filme de Tom Hooper é de uma delicadeza ímpar e possui uma belíssima fotografia. 

sábado, 3 de junho de 2017

PRESSÁGIO



Não é a primeira vez que a cidade de Nova York é devastada ou importunada por eventos catastróficos de uma indústria chamada Hollywood. Em KING KONG, o gorila gigante toma o Empire State Builduing. Em EU SOU A LENDA a população é exterminada e os que sobreviveram se transformaram em zumbis. Em INDEPENDENCE DAY a cidade é destruída por um raio disparado pela nave alienígena. Em ARMAGEDOM é devastada pelos meteoros. Em IMPACTO PROFUNDO ela é arrasada pela gigantesca onda do mar. Em O DIA DEPOIS DO AMANHÃ a cidade é congelada em virtude dos danos causados pelo efeito estufa.
Já neste filme PRESSÁGIO, do diretor Alex Proyas, o ator Nicolas Cage se vê diante da eliminação da cidade de Nova York e do mundo também.  No início do filme tem-se a impressão de ser um filme de terror. A garotinha Lucinda (com seu olhar triste e assustado) dá o tom sombrio à película. Em 1959 crianças de uma escola depositaram em uma cápsula do tempo desenhos e cartas para serem abertas cinqüenta anos depois. Já Lucinda não faz desenhos e sim vários números sem sentido algum. Em 2009, na mesma escola, a cápsula é aberta e um a um cada aluno pega um envelope. O garotinho Caleb ao abrir seu envelope se depara com uma folha escrita com números em seqüência. Ao mostrar para seu pai, um professor de astrofísica interpretado por Nicolas Cage, percebe que os números revelam dias, meses e anos e número de mortes de vários desastres naturais ou não que aconteceram ao longo dos cinqüenta anos. Estudando os números, o professor percebe que o documento ainda prevê três outras catástrofes. E no final, o filme revela um segredo surpreendente. 

Um excelente filme para se ver, principalmente para conferir as três cenas – os três últimos desastres previstos pela garotinha Lucinda.